Jornal Tribuna do Norte

>> Ir para site antigo
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Papo reto com Luciana de Oliveira Ferreira

Divulgação.

A coluna Papo Reto desta edição é com a Secretária de Educação de Pindamonhangaba, Luciana de Oliveira Ferreira. Luciana é graduada em Pedagogia pela Universidade de Taubaté (1995) e em Psicologia pelo Centro Universitário de Lorena (2008). Pós-graduada em Psicopedagogia pela Universidade de Taubaté (1999) e em Gestão Escolar pela Faculdade Pitágoras em 2008. Também é mestranda em Projetos Educacionais de Ciências pela EEL/USP. Em 1991 ingressou como professora efetiva na rede municipal de ensino de Pindamonhangaba. É Secretária de Educação desde abril de 2020, tendo desempenhado as funções de professora coordenadora pedagógica, Gestora Regional de Educação Básica, Diretora do Departamento de Ação Educativa e Desenvolvimento Pedagógico na mesma rede de ensino.

TN – Como você planeja melhorar ainda mais a qualidade da educação nas escolas de Pindamonhangaba? Novos projetos?


Qualidade na educação envolve uma série de fatores, como melhoria na infraestrutura, recursos e materiais humanos. Com a recente realização do concurso público, o ingresso de mais servidores contribuirá com o fortalecimento das equipes escolares para a realização de um trabalho mais organizado e robusto para suporte ao processo de ensino e aprendizagem.


Nesse semestre os estudantes terão a oportunidade de participarem durante a semana ou aos sábados de oficinas de educomunicação (uma forma de ensino que conta com técnicas utilizadas pelos meios de comunicação e tecnologia). Como exemplos, aprender a fazer podcasts, fotografias, web rádio virtual e jornal.


Aulas de Libras serão ofertadas aos estudantes no contraturno escolar (ou aos sábados) e aos profissionais da educação no período noturno.


Já na segunda edição o concurso “Profissionais que Transformam” em que se premia as práticas bem-sucedidas que impactam na aprendizagem com participação em congressos. Em 2022 os vencedores participaram de Congresso em Belo Horizonte e, esse ano, nessa semana, estão em Natal/RS participando do Expoeduc. Também na edição, o concurso “Melhores Receitas para a Alimentação Escolar”, em que as receitas (uma salgada e uma doce) entram para o cardápio das crianças no ano seguinte. A premiação também é a participação em congresso e complementares, sendo que esse ano teve entrega de batedeiras.


Também se amplia anualmente o número de estudantes em oficinas de reforço, música, esporte no contraturno escolar. A parceria com entidades do Terceiro Setor, secretarias da prefeitura e empresas é fortalecida a cada ano, considerando a importância da participação dos variados setores da sociedade na educação das crianças.

TN – Que ações estão sendo tomadas para apoiar os professores e garantir que eles tenham os recursos necessários para ensinar efetivamente?


Entre as ações para subsidiar o fazer docente estão:

Oferta de materiais pedagógicos de qualidade;

Quantitativo de estudantes por sala. Na idade obrigatória, a partir dos quatro anos (Pré I), máximo de 20 estudantes por sala e, do Pré II (5 anos) ao quinto ano do ensino fundamental, 25;

Projeto “Mais Aprendizagem”, onde se oportuniza mais um professor por sala para maior atenção aos estudantes que requerem apoio pontual para o desenvolvimento das habilidades necessárias para a idade e, consequentemente, apoio ao professor regente;

A formação continuada se destaca como propulsora para a reflexão e melhoria constante da prática, sendo a mentoria (formação entre os pares) tem papel importante, pois consiste na partilha de experiências de quem está no chão da escola.

Um diferencial ofertado pela SME é o apoio dado aos docentes para a formação no mestrado profissional em Projetos Educacionais de Ciências na Escola de Engenharia de Lorena (EEL/USP). Os professores aprovados são afastados da sala de aula para dedicação aos estudos e contribuição com as ações que visem o aprimoramento da prática pedagógica da rede. Em 2021 foi firmada parceria com a EEL/USP na intenção de potencializar o diálogo entre a universidade e escolas públicas para o repensar constante dos fazeres docentes.

TN – Pode descrever uma iniciativa ou plano em andamento para integrar tecnologia na sala de aula e melhorar a educação a distância?


Hoje as salas de aula contemplam lousas digitais/telas interativas em que a tecnologia se presentifica nas atividades de ensino e aprendizagem, como o uso de chromebooks pelos estudantes e professores e portal educacional para acesso de toda a rede (professores, estudantes e famílias).

TN – Quais são suas estratégias para lidar com a desigualdade educacional na nossa cidade?


A desigualdade educacional é fruto da desigualdade social, uma herança dada a séculos e que se perpetua nos dias atuais. Para superá-la é necessário um trabalho intersetorial.


Promover uma educação de qualidade contribui para o processo reflexivo-crítico dos estudantes, estimulando o rompimento de certos (pre)conceitos e o fortalecimento de novos comportamentos que conduzam ao trabalho coletivo para a justiça social. Além de cursos ofertados pela SME cada escola desenvolve projetos para discutir temas que estão presentes em qualquer natureza de desigualdade.

TN – Como a secretaria pretende incentivar a participação dos pais e da comunidade na educação das crianças?


Cada unidade escolar desenvolve projetos para atender as necessidades dos territórios educativos, porém o que as escolas têm em comum é a promoção do engajamento das famílias e das comunidades na formação dos estudantes. Como diz o provérbio africano, “é preciso uma aldeia inteira para educar uma criança”.

TN – Quais são os planos para fornecer apoio e recursos adequados para estudantes com necessidades especiais?


A rede municipal oferta profissionais de apoio no horário regular de aula, frequência às salas de recurso multifuncionais no contraturno escolar, atendimento nos Núcleos de Apoio Psicopedagógico (NAPs) com profissionais da psicologia, fonoaudiologia, arteterapia e psicomotricidade. Outro diferencial é a Equoterapia ofertada aos estudantes diagnosticados ou em investigação de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), Transtorno Opositor Desafiador (TOD), Transtorno Bipolar, Transtornos de Conduta e Transtorno do Espectro Autista (TEA) associados a agressividade.

Pindamonhangaba, BR
01:29 am, maio 18, 2024
18°C
céu limpo

Notícias relacionadas

Categorias

Redes Sociais